Blog de uma leitora crónica, obsessiva livresca e bibliomaníaca. Os livros que li e as minhas opiniões.

Perfil

//mais sobre mim

Arquivo

//pesquisar
 
//Fevereiro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


//comentários recentes
Em que capítulo se encontra a citação da pág.72 ? ...
Muito obrigada pelos spoilers, senhor "leitor".Ain...
ola xana, você ainda tem esse livro?se tiver, quer...
http://numadeletra.com/36007.html
Adorei!:http://numadeletra.com/34202.html
Terminei este livro há dias e gostei muito.Sou uma...
Está um máximo! :D
Adorei a critica.
Fui lá espreitar agora. Gostei muito das citações ...
Boa tarde Rita, estou a reformular o meu blog sobr...
//arquivos
2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


//subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

Posts

Sexta-feira, 02 de Fevereiro de 2007

(Ano de edição: 2002)

Ao adoecer a sua mãe, o jovem Alexander Cold parte com a extravagante avó Kate, numa expedição da National Geographic à selva amazónica, em busca de um estranho animal que muito pouca gente viu e que os indígenas chamam «a besta». Outros membros da expedição, dirigida por um petulante antropólogo, são dois fotógrafos norte-americanos, uma bela médica, um guia venezuelano e a sua surpreendente filha de nove anos, com quem Alexander trava uma amizade especial. Entre as missões da expedição está também a de vacinar os escorregadios índios, conhecidos como «o povo da neblina».

Uma história emocionante e comovente que prende da primeira à última página e que alerta para os problemas ecológicos e para o drama terrível da extinção das tribos índias da região do Amazonas, como consequência directa da exploração desenfreada e irresponsável praticada pelos brancos.

[Sinopse retirada da contracapa]

 

Citações


(pág.72) "Defendia que a experiência é o que obtém precisamente depois de precisarmos dela."

 

(pág.86) "(...) porque o tempo no Amazonas não era como no resto do planeta, não se media em horas, mas no amanhecer, nas marés, estações e chuvas."

 

(pág.91) "O individualismo era considerado uma forma de demência, tal como ser possuído pelo demónio."

 

(pág.94) "(...) porque o que não se nomeia é como se não existisse(...)"

 

(pág.236) "(...) as tribos nunca tinham atacado na escuridão, porque receavam os demónios nocturnos que fogem dos pesadelos humanos."