Blog de uma leitora crónica, obsessiva livresca e bibliomaníaca. Os livros que li e as minhas opiniões.

Perfil

//mais sobre mim

Arquivo

//pesquisar
 
//Junho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29


//comentários recentes
Em que capítulo se encontra a citação da pág.72 ? ...
Muito obrigada pelos spoilers, senhor "leitor".Ain...
ola xana, você ainda tem esse livro?se tiver, quer...
http://numadeletra.com/36007.html
Adorei!:http://numadeletra.com/34202.html
Terminei este livro há dias e gostei muito.Sou uma...
Está um máximo! :D
Adorei a critica.
Fui lá espreitar agora. Gostei muito das citações ...
Boa tarde Rita, estou a reformular o meu blog sobr...
//arquivos
2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


//subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

Posts

Sábado, 30 de Junho de 2007

(Ano de edição: 2003)

Alexander Cold e Nádia Santos, os dois adolescentes protagonistas de A Cidade dos Deuses Selvagens, acompanham a intrépida Kate, avó do primeiro, na sua nova expedição. Desta vez, Kate Cold deve efectuar para a International Geographic uma reportagem sobre o reino Proibido do Dragão de Ouro, na cordilheira dos Himalaias. Ali, o jovem Dil Bahadur e o seu mestre, o monge Tensing, vão ajudá-los a cinhecer a fascinante sociedade arcaica repleta de sabedoria oriental.

O equilíbrio e a própria existência do Reino Proibido são postos em cheque por um bando internacional cujo ambicioso líder está decidido a apoderar-se da jóia mais valiosa do país, a escultura do Dragão de Ouro.

A Águia e o Jaguar vão enfrentar estes mercenários em mil aventuras que lhes permitirão pôr à prova o seu engenho e a sua valentia.

[Texto retirado da contracapa]

 

Citações


 (pág.11) "Morrerei quando houver concluído o meu trabalho nesta reencarnação e o meu espírito estiver pronto para voar (...)"

 

(pág.123) "A mudança deve ser voluntária, não imposta."

 

(pág.132) "A tempestade arranca do solo o forte carvalho, mas não o junco, porque este se dobra. Não avalies a minha força, mas as minhas fraquezas."

 

(pág.152) "Somos o que pensamos. Tudo o que somos surge dos nossos pensamentos. Os nossos pensamentos constroem o mundo (...)"

publicado por xana às 00:12