Blog de uma leitora crónica, obsessiva livresca e bibliomaníaca. Os livros que li e as minhas opiniões.

Perfil

//mais sobre mim

Arquivo

//pesquisar
 
//Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
24
25
26

27
28
29
30
31


//comentários recentes
Em que capítulo se encontra a citação da pág.72 ? ...
Muito obrigada pelos spoilers, senhor "leitor".Ain...
ola xana, você ainda tem esse livro?se tiver, quer...
http://numadeletra.com/36007.html
Adorei!:http://numadeletra.com/34202.html
Terminei este livro há dias e gostei muito.Sou uma...
Está um máximo! :D
Adorei a critica.
Fui lá espreitar agora. Gostei muito das citações ...
Boa tarde Rita, estou a reformular o meu blog sobr...
//arquivos
2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


blogs SAPO


Universidade de Aveiro

Posts

Sexta-feira, 15 de Junho de 2007

 

(Ano de edição: 2005)

 

Memória das Minhas Putas Tristes conta a história de um velho jornalista de noventa anos que deseja festejar a sua longa existência de prostitutas, livros e crónicas com uma noite de amor com uma jovem virgem. Inspirado no romance "A Casa das Belas Adormecidas" do Nobel japonês Yasunari Kawabata, o consagrado escritor colombiano submerge-nos, num texto pleno de metáforas, nos amores e desamores de um solitário e sonhador ancião que nunca se deitou com uma mulher sem lhe pagar e nunca imaginou que encontraria assim o verdadeiro amor. Rosa Cabarcas, a dona de um prostíbulo, conduzi-lo-á à adolescente com quem aprenderá que para o amor não há tempo nem idade e que um velho pode morrer de amor em vez de velhice. A escrita incomparável de Gabriel García Márquez num romance que é ao mesmo tempo uma reflexão sobre a velhice e a celebração das alegrias da paixão.
[Texto retirado de www.webboom.pt]

 

Citações


 (pág.12) "A inspiração não avisa, disse eu."

 

(pág.14) "Nunca pensei na idade como uma goteira no tecto que nos indica a quantidade de vida que vai restando."

 

(pág.62) "A minha única explicação é que assim como os factos reais se esquecem, também alguns que nunca existiram podem estar nas recordações como se tivessem existido."

 

(pág.68) "(...) tomei consciência de que a força invencível que impulsiona o mundo não são os amores felizes, mas os contrariados."

 

(pág.88) "A verdade era que não podia com a minha alma (...)"